Seção de cinema: Philip K. Dick: Adjustment team

Seção de cinema:  Philip K. Dick: Adjustment team

Se você já ouviu falar de Blade Runner, deve ter uma noção de quem é Philip K Dick, o melhor autor de ficção cientifica não espacial, é isso mesmo, para que viajar no espaço se os maiores mistérios se escondem dentro da mente humana? então vamos ao primeiro filme. Começar pelo clássico do cinema como Blade Runner seria um pouco obvio. Então optei por começar por um filme que passou um pouco despercebido, Adjustment bureau, ou em português “Os Agentes do Destino (2011)” Baseado no conto Adjustment team. Que juntamente com outras pequenas estórias você encontra no livro “Realidades Adaptada” da editora Aleph.

Seção de cinema

Uma bonita estória de amor encapsulada em um conto de ficção cientifica, coisa rara em ficções. Nesta  historia  David Norris (Matt Damon), deputado e candidato a senador, derrotado. Tem uma pequena ajuda da bailarina  Elise Sellas para o seu discurso de despedida. Mas o destino queria que eles não se encontrassem novamente mas seria o acaso, mais forte que os planos do Presidente? Em um cochilo da vigilância dos os agentes do destino, tudo muda e David descobre sobre quem manda no nosso suposto “Live Arbítrio”  Uma equipe do Adjustement Bureau comandada  por Richardson (John Slattery, de Mad Men) fazendo um ajuste na mente de seu Coordenador,  Charlie. Tudo muda para. Eele e obrigado a manter  silencio e para não ser reiniciado,  ele tenta mudar o destino, dando uma força para o acaso. E conta com uma ajuda com as portas, dada por dos próprios agentes. Então tudo  esta prestes a mudar.

Livre Arbítrio.

Um das perguntas centrais do filme é sobre  o “livre arbítrio”que é colocado em questionamento por Norris. O amargo agente Thompson (Terence Stamp) da  sua explicação em uma parte do filme e que merece o destaque do dialogo:

-o que houve com o livre arbítrio?

-Já o tentamos antes.

-Depois de levá-los da caça e coleta ao apogeu do Império Romano, nós nos afastamos.

-Deixamos vocês por conta própria.

-O que desembocou na Idade das Trevas por 5 séculos.

-Finalmente, quando decidimos voltar aqui, o Presidente achou necessário fazermos um trabalho melhor  ensiná-los a andar de bicicleta antes de retirar as rodinhas.

-Nós lhes demos o Renascimento, Iluminismo, revolução científica.

-Por 600 anos, ensinamos vocês a controlar os impulsos com a razão.

-Em 1910, nos afastamos.
-Em questão de 50 anos, vocês nos deram a I Guerra Mundial, a Grande Depressão, o fascismo, o Holocausto, levaram o mundo à beira da destruição com a Crise dos Mísseis em Cuba.

-Àquela altura, decidimos intervir de novo, antes que fizessem algo que não pudéssemos consertar.

-Vocês não têm livre arbítrio, David.

-Apenas aparentam ter.

-Espera que acredite nisso? Tomo decisões todos os dias.

-Há livre arbítrio para escolher uma pasta de dente ou o que beber no almoço, mas a humanidade é imatura demais para controlar coisas importantes....

Gostou? O conto você encontra no livro Realidades Adaptadas da Aleph, juntamente com outros que já foram adaptados para o cinema que ainda vou comentar aqui.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *